Cristianismo & Carnaval: Uma relação sem Cristo

sábado, fevereiro 6th, 2016

O carnaval é uma festa popular que surgiu na Antiguidade com o intuito de celebrar os deuses pagãos e a natureza. Foi reconhecida pela igreja (católica romana, vale salientar) e incluída no calendário cristão depois de muitos séculos, ainda hoje é comemorada no mundo inteiro, possuindo características particulares de cada país.

No Brasil, o carnaval sofreu influência de uma festa de rua de origem portuguesa, o entrudo, que consistia em jogar farinha, ovo e tinta nas pessoas. Porém, a comemoração também passou por mudanças por causa do folclore indígena e a cultura africana, trazida pelos escravos e… Calma! Aqui é só a introdução.

Neste estudo, viajaremos pela história em busca da origem do carnaval, qual a sua relação com a igreja cristã e sua chegada ao Brasil. Depois disso, abordaremos alguns princípios bíblicos sobre o tema e refletiremos sobre qual deve ser a posição cristã durante esse período em que o Brasil para, literalmente. Pronto? Então, vamos lá.

1. O significado do termo “CARNAVAL”.
Deriva da expressão latina carne levare, que significa “abstenção da carne”. Este termo começou a circular por volta dos séculos XI e XII para designar a véspera da quarta-feira de cinzas, dia em que se inicia o jejum da quaresma, um longo período de privação. Portanto, era como uma despedida dos pecados da carne.

2. A Origem da festa.
Na verdade, nenhuma literatura consegue definir com exatidão a origem do carnaval, mas acredita-se que ela tenha surgido na Grécia por volta de 520 a.C, numa festa em que o vinho era fundamental e as pessoas se reuniam em nome do deus Dionísio com a única intenção de se divertirem, celebrando a chegada da primavera e a fertilidade.

O primeiro foco de concentração carnavalesca se localizava no Egito, como um culto à Ísis (2 mil anos a.C). A festa era nada mais que dança e cantoria em volta de fogueiras. Os foliões usavam máscaras e disfarces simbolizando a inexistência de classes sociais.

Depois, a tradição se espalhou por Grécia e Roma, entre o século VII a.C. e VI d.C. A separação da sociedade em classes fazia com que houvesse a necessidade de válvulas de escape. É nessa época que sexo e bebidas se fazem presentes na festa. Em seguida, o Carnaval chega em Veneza para, então, se espalhar pelo mundo. Diz?se que foi
lá que a festa tomou as características atuais: máscaras, fantasias, carros alegóricos, desfile.

Segundo o historiador José Carlos Sebe (http://historia.fflch.usp.br/docentes/jcarlosbm), estão relacionadas ao carnaval as festas e manifestações populares dos mais diversos povos, tais como o purim (judaico) e as saturnálias e caecas (babilônicas), manifestações que contribuíram bastante para o carnaval atual.

Historicamente, trata-se de uma festa popular coletiva, transmitida oralmente através dos séculos como herança das festas pagãs, realizadas entre 17 de dezembro (Saturnais – em honra ao deus Saturno, na mitologia grega) e 15 de fevereiro (Lupercais – em honra ao deus Pã, na Roma Antiga).

3. Como chegou no Brasil.
O carnaval chegou ao Brasil à partir do século XIII, quando os portugueses (sempre eles, hein?!) trouxeram a brincadeira do entrudo, típica da região de Açores e Cabo Verde, que consistia em um jogo em que as pessoas sujavam umas às outras com tintas, farinhas, ovos e também atiravam água.

No século XIX foram promovidos os bailes parisienses, nos quais os convidados deveriam usar máscaras. Cresceu o interesse nesse tipo de festa porque o entrudo já estava gerando muita confusão, descambando até para a violência. Nos bailes o público era mais restrito, aconteciam em local fechado e só entravam convidados dispostos a se fantasiar e ouvir músicas.  Uma figura importante desse período é Chiquinha Gonzaga, que compôs várias músicas de carnaval nesse período.

Chegamos no século XX. Aqui começam a surgir as primeiras escolas de samba no Rio de Janeiro, que no final da década de 1920, seus desfiles agradaram tanto a população que se tornou uma forma popular de comemoração muito forte, tanto no Rio quanto em São Paulo. Já no Nordeste do país o jeito mais popular de passar o carnaval é ir para as ruas, mantendo um pouco da tradição trazida pelos portugueses, mas com misturas peculiares de cada região, como o frevo, maracatu e caboclinho em Pernambuco e os trios elétricos da Bahia.

4. O Cálculo do dia.
Para o carnaval, foi estipulado um cálculo para que não houvesse coincidência com a páscoa católica, tampouco ocorresse no mesmo dia da páscoa judaica. Assim, ela começa no equinócio da primavera no hemisfério norte, que corresponde ao outono no hemisfério sul (aqui no Brasil), a partir do dia 21 de março. Ou seja, sabe-se que a terça-feira de carnaval é aquela que antecede a Páscoa em 47 dias.

5.  A posição da igreja na história.
Quando o Cristianismo se difundiu, já encontrou tais festas e orgias no uso dos povos. Por princípio, o Evangelho não é contrário às demonstrações de júbilo, contanto que não degenerem em celebrações libertinas e pecaminosas.

Devido a sua origem pagã, e pelo fato de ser um festa (meio) obscena, a relação entre a Igreja Romana e o carnaval nunca foi amigável. No entanto, o que prevaleceu por parte da igreja foi uma atitude de tolerância quanto à sua manifestação, até porque sua liderança não conseguiu eliminá-la do calendário. A solução, então foi a adoção do velho e conhecido lema: “Se você não consegue vencer seus inimigos, junte-se a eles”. Sendo assim, no século XV, a “festa da carne” foi incorporada ao calendário da igreja, sendo oficializada como a festa que antecede a abstinência da carne requerida pela quaresma.

Como podemos ver, a igreja não instituiu o carnaval, mas teve que reconhece-lo como fenômeno vigente no mundo em que ela foi implantada.

Entretanto, a igreja evangélica sempre combateu as festas carnavalescas e a todo tempo ensina seus membros a serem moderados nos divertimentos, modestos no trajar, abstêmios do álcool como bebida, bem como empenhados no combate a qualquer tipo de vício.

6. O que a Bíblia diz sobre isso.
Por ser uma reedição moderna das religiões pagãs e um convite à promiscuidade, por ser um “louvor à carne”, estimulando a liberação desenfreada dos prazeres, podemos afirmar categoricamente que a Bíblia é completamente contra o carnaval, como bem expressa os textos de Isaías 42. 8, 1Coríntios 10.20-22 e Gálatas 5.16-21.

Os princípios são simples e claros: (1) Deus não divide a sua glória com ninguém, em hipótese alguma. Ou somos dele, ou não estamos com ele; e (2) somos convocados chamados para andar em Espírito, todos os dias da nossa vida, e não satisfazermos os desejos da nossa carne, que são exemplificados claramente nas “Obras da Carne”, do texto do apóstolo Paulo para a igreja da Galácia. Certamente, o tem outros motivos para festejar “com pandeiros e danças”.

7. O que as igrejas devem fazer nesse período: Retiro ou Evangelismo?
Nesse período, é comum ver algumas igrejas promoverem os famosos retiros espirituais, enquanto que outras preferem ficar na cidade durante o carnaval com o objetivo de evangelizar os foliões.

A resposta para a pergunta é simples: Depende da estratégia e teologia de cada uma das igrejas, desde que haja propósito bíblico em qualquer uma das escolhas, bem como não haja mistura com a referida festa, no caso de uma atuação evangelística. Destacamos que respeitamos as duas posições, mas registramos aqui nossa frustração com as (muitas) incoerências bíblicas na maioria das estratégias adotadas como forma de evangelismo durante a festa de momo.

Conclusão
Para finalizar, podemos resumir esse estudo em uma sentença: O Carnaval é uma festa de pagã para homenagear os falsos deuses e cultuar a carne, tolerada pela igreja Romana, mas totalmente contrárias aos princípios estabelecidos na Bíblia Sagrada.

#CristãoNãoBrincaCarnavalPorqueAndaEmEspírito
#SolaScriptura
#VoltemosAoEvangelhoPuro&Simples

Por Linaldo Lima
Blog Oficial: http://www.linaldolima.com
Facebook: /Blog de Linaldo
E-mails: linaldolima@gmail.com
Skype: linaldolima
Twitter: @linaldolima

BIBLIOGRAFIA:

  1. STERN, David H. Bíblia Judaica Completa, São Paulo-SP: Vida, 2010;
  2. JAMES, Kim. Bíblia de Estudo Atualizada. Versão KJA. 2001-2011 v1. 2 – Disponível no aplicativo Bible Analyser 4;
  3. ICP.com.br. Carnaval – A Festa da Carne. Artigo disponível na internet via WWW, através da URL: http://www.icp.com.br/31materia1.asp. Acessado em 28/01/2016;
  4. ESTUDOSGOSPEL.com.br. Estudo Bíblico o que diz a Bíblia sobre o carnaval. Artigo disponível na internet via WWW, através da URL: http://www.estudosgospel.com.br/estudo-biblico-carnaval/o-que-diz-a-palavra-sobre-o-carnaval.html. Acessado em 28/01/2016;
  5. SADOUTRINA.wordpress.com.br. Carnaval X Cristianismo. Artigo disponível na internet via WWW, através da URL: https://sadoutrina.wordpress.com/2010/06/08/carnaval-x-cristianismo. Acessado em 29/01/2016;
  6. HISTORIA-do-carnaval.info. História do Carnaval. Artigo disponível na internet via WWW, através da URL: http://historia-do-carnaval.info/. Acessado em 05/02/2016;
  7. RODRIGUES, Pr. Welfany Nolasco. O que a Bíblia diz sobre o carnaval. Artigo disponível na internet via WWW, através da URL: http://www.esbocosermao.com/2012/02/o-que-biblia-diz-sobre-carnaval.html. Acessado em 05/02/2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *