Liderança e a Lei da Tampa.

quarta-feira, fevereiro 6th, 2013

Iniciamos uma série de pesquisas e estudos voltados para o tema liderança, por entendermos que se faz necessário, não somente no exercício cristão, mas também em todas as esferas da nossa sociedade. Entretanto, nosso foco aqui é trazer lições de liderança a partir de princípios bíblicos, com o fim de fornecer lições práticas para nossos líderes atuais, bem como desenvolver capacidades de liderança para aqueles que não sabem por onde começar, como também para os novos convertidos. Então, vamos ao trabalho!!

Uma pergunta básica para nossa introdução: barril-e-o-fator-minimoVocê conhece a ilustração do “barril e o fator mínimo”, representado na figura ao lado? O ensino é bem simples. O barril representa a nossa vida. As tábuas encurvadas que forma o barril, também chamada de aduelas, são o nosso comportamento constante ou o nosso caráter. O que determina a quantidade de água que será retida no barril é a tábua menor (fator mínimo). Um líder não conseguirá produzir mais frutos do que sua tábua menor permitir.

Segundo John Maxwell, há algumas “leis” em liderança que precisam ser observadas, aprendidas e praticadas. Uma delas é a lei da tampa, sobre a qual refletiremos neste estudo. Vamos entendê-la melhor e, principalmente, como ela se aplica à liderança de Saul e Davi, bem como no ministério de João Batista.

lei da tampaO que é a lei da tampa?
A lei da tampa diz respeito à capacidade que uma pessoa tem de liderar. Vejamos o que John Maxwell diz sobre isso:

A habilidade de liderança é a tampa que determina o nível de eficiência de uma pessoa. Quanto menor a habilidade individual para liderar, tanto menor será a tampa do seu potencial. Quanto melhor a liderança, maior a eficiência. Sua habilidade de liderança, para melhor ou para pior, sempre determina a sua eficiência e o potencial de impacto de sua organização. Para atingir o mais elevado nível de eficiência, você deve levantar a tampa de sua habilidade de liderança.

Por que Saul falhou como rei de Israel e por que Davi foi bem-sucedido? A resposta pode estar na lei da tampa: a habilidade de liderança determina o nível de eficiência de uma pessoa. Enquanto Davi levantou muitas tampas, a atitude de Saul manteve a tampa presa embaixo de sua liderança.

Sendo assim, podemos entender que a tampa é um fator limitador. Em outras palavras, sua capacidade de liderar sempre determina a sua eficácia e o potencial de sua liderança na organização (igreja, empresa, sociedade). “Quanto mais alto você quer subir, mais precisa de liderança. Quanto maior a influência que quer exercer, maior precisa ser sua capacidade de liderar” (Maxwell).

Nossa primeira lição prática deste estudo é simples: há tampas que devem ser retiradas para que a eficácia da liderança seja atingida, e outras devem ser mantidas para que o líder não passe dos limites.

1. A Lei da tampa em Saul e Davi
Observemos, então, o que a história de Saul e Davi tem a ver com a lei da tampa.

1.1. Caminhos Semelhantes… Reações Diferentes.
Ambos receberam conselhos de homens tementes a Deus. Samuel ungiu a ambos. Eles também receberam bons conselhos (Samuel aconselhou Saul e Davi, sendo que este também recebeu conselhos de Natã). Podemos encontrar essas verdades em 1Samuel 10. 1; 16. 13; 15. 1-3; 2Samuel 12. 1-15.

Ambos enfrentaram grandes desafios. Algumas vezes Saul e Davi enfrentaram os mesmo desafios. Como exemplo, podemos citar o caso do gigante Golias. Quando o guerreiro filisteu se ofereceu para lutar contra o campeão de Israel, tanto Saul quanto Davi ouviu o desafio. Um se escondeu de medo (Saul), enquanto o outro enfrentou o desafio com determinação e foi honrado por Deus (Davi) (1 Samuel 17. 1-58).

Ambos tiveram a oportunidade de mudar e crescer.Quando foram confrontados com suas limitações, Saul e Davi reagiram de maneira completamente diferente. Quando Samuel repreendeu Saul por realizar ofertas queimadas a Deus inapropriadamente, o rei não expressou qualquer palavra e/ou atitude de arrependimento; muito pelo contrário, ele permaneceu no mesmo caminho. Já quando Natã confrontou o rei Davi depois do incidente com Bate-Seba, Davi ficou quebrantado e profundamente arrependido. Davi possuía um coração diferente do de Saul (1 Samuel 13.8-23; 2 Samuel 12.13-15; Salmo 51.1-19).

1.2. Tampas que limitaram Saul.
Dentre outras, podemos mencionar: medo, impaciência, engano, obediência parcial, inveja, iras e covardia. Suas perseguições a Davi e o suicídio revelam muito do caráter desse líder que foi rejeitado por Deus (1Sm 16.1). As tampas internas de Saul o impediram de ser um líder competente.

1.3. Tampas que não limitaram Davi.
a) Família. Nenhum dos familiares de Davi acreditava que ele seria ungido rei de Israel, por ser o mais novo de oito irmãos (1Sm 16. 11-13).

b) O primeiro desafio. Golias desprezou Davi, julgando-o pela aparência (1Sm 17. 42-44).

c) Perseguições. Saul foi implacável com Davi (1Sm 20. 1-2; 30-34). “Saul tentou continuamente sabotar a liderança e eficiência de Davi” (Maxwell).

d) Juventude e Inexperiência. Tudo leva a crer que Davi tinha menos de 20 anos de idade quando Samuel o ungiu (1Sm 16: 13), além de não ter qualquer experiência de liderança, a não ser liderar ovelhas no campo. Quando foi lutar com Golias, ele foi considerado jovem demais para tal desafio (1Sm 17: 33).

Para fecharmos este ponto, precisamos refletir sobre as seguintes lições:
Levantar a tampa nos faz crescer. A organização será o reflexo de seu líder. Sendo assim, para que a organização cresça, o líder precisa crescer, pois tudo começa e termina nele. “Davi também tinha tampas em sua vida, tanto internas quanto externas, mas elas não o fizeram parar” (Maxwell).

Precisamos levantar as tampas antes que cheguem as oportunidades. Já vi muitas pessoas expressar o seguinte: “Quando eu conquistar aquele cargo, então vou me dedicar mais, vou crescer, vou me planejar melhor”. Davi, porém fez o contrário. Ele primeiro cresceu, levantando suas tampas pessoais. No momento que a grande oportunidade chegou, ele já estava pronto.

2. A Lei da tampa em João Batista.
O relacionamento entre João Batista e Jesus nos ensina algo que diz respeito à lei da tampa. E algo bem diferente do que aprendemos com as histórias de Saul e Davi. Agora não estamos falando mais de competência, mas sim de natureza (João Batista é homem, e Jesus Cristo é Deus).

João Batista tinha certeza da superioridade de Cristo (Mt 3. 11). Ao fazer a declaração “é mais poderoso do que eu”, o profeta João Batista está reconhecendo que Jesus teria um ministério superior ao dele. Vejamos também o que Jesus diz sobre o assunto em Jo 5: 36.

João tinha consciência da missão. Ele sabia do que seu ministério possuía um limite (Jo 1. 36-37; 3. 26-30).

As palavras de João Batista sobre Jesus: “convém que Ele cresça e que eu diminua” (Jo 3. 30) nos ensinam que, muitas vezes, devemos estar preparados para formar lideres para a geração seguinte, e que esses líderes poderão ter uma liderança maior que a nossa.

3. COMPETÊNCIA: Qualidade indispensável da Lei da Tampa.
Na Administração, o conceito de competência se refere à integração e coordenação de um conjunto de conhecimentos, habilidades e atitudes (C.H.A.), cujo resultado é uma atuação diferenciada.

A excelência na liderança de Davi foi alcançada levando em consideração os dois lados de uma moeda: a habilidade externa e a integridade interior (coração e arte) (Sl 78. 70-72). Todo grande líder espiritual deve ter essa combinação. Contar com um desses elementos sem o outro é algo que leva ao fracasso.

Entretanto, vale salientar que a própria Bíblia menciona os erros cometidos pelo mesmo Davi (1Reis 15. 5), o que nos ensina que competência não indica perfeição.

Todo líder deve buscar a excelência em sua liderança. Para tanto, consideremos alguns pontos importantes, com o fim de nos ajudar a desenvolver nossas habilidades de liderança no mundo atual. Portanto, os líderes devem:

  1. Valorizar a excelência em primeiro lugar;
  2. Não aceitar a média;
  3. Prestar atenção nos detalhes;
  4. Continuar comprometidos com o que realmente é importante;
  5. Mostrar integridade e princípios éticos sólidos;
  6. Mostrar respeito sincero pelos outros;
  7. Ir um pouco além do esperado;
  8. Mostrar coerência;
  9. Nunca deixar de melhorar;
  10. Sempre se entregar por completo;
  11. Fazer da excelência um estilo de vida.

As tampas “não desaparecem quando uma pessoa recebe um título, alcança uma posição ou é investida de poder. A questão não é se você tem tampas ou não, mas o que fará a respeito delas” (John Maxwell).

Que Deus possa ter falado ao teu coração.

Por Linaldo Lima
Blog Oficial: http://www.linaldolima.com
Facebook: http://www.facebook.com/BlogDeLinaldo
E-mails:
contato@linaldolima.com / linaldolima@gmail.com
Skype: linaldolima
Twitter: @linaldolima

BIBLIOGRAFIA:

  1. OLIVEIRA, Pr. José Humberto de Oliveira. Princípios Bíblicos de Liderança (Série Serviço Cristão). 1ª Ed. São Paulo, Cristã Evangélica, 2011.
  2. FERREIRA, Pr. Valmir. A Lei da tampa – John Maxwell. Artigo disponível na Internet via WWW, através da URL: http://prvalmirferreira.blogspot.com.br/2013/01/a-lei-da-tampa-john-maxwell.html. Acessado em 05/02/2013.
  3. WIKIPEDIA.org. Competência. Artigo disponível na Internet via WWW, através da URL: http://pt.wikipedia.org/wiki/Compet%C3%AAncia_(administra%C3%A7%C3%A3o). Acessado em 06/02/2013.
  4. BÍBLIA de Estudo Aplicação Pessoal. Versão Almeida, Revista e Corrigida. 1995.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *