O Lider e a Lei do Sacrifício

quarta-feira, agosto 28th, 2013

Textos-Base: 1 Coríntios 9: 5 – 15; 19 – 27 / Êxodo 3: 1 – 4: 13.

Uma coisa é fato: Nem todas as pessoas tem a vocação ocupar cargos de liderança, mas todos têm o seu lugar de importância na instituição a qual pertence e devem contribuir da melhor maneira possível para valorizar esse espaço. Sendo assim, os princípios de liderança que abordaremos nessa reflexão podem ser aplicados em várias áreas da vida, por todos os que estão envolvidos no reino de Deus bem como em qualquer instituição terrena.

Nossa reflexão de hoje trata de uma forma de sacrifício que deve ser exercitada principalmente pelos líderes: a autodisciplina (controle de si mesmo). Também conhecida como domínio próprio (Gl 5: 23; 2Pe 1: 6; 1Co 9: 25 – 27) e é uma qualidade exigida dos líderes (Tt 1: 8).

A vida cristã e a liderança exigem constantes sacrifícios. Os que querem ser discípulos de Jesus devem abrir mão do desejo de grandeza e dos seus direitos (Jr 45: 5; Mc 10: 43 – 45). Da mesma forma, o verdadeiro líder deve estar disposto a pagar o preço para se tornar eficiente, influenciar positivamente outras pessoas e ganhar o respeito delas.

o-lider-e-a-lei-do-sacrificio1. O Que é a Lei do Sacrifício?
A Concordância Temática da Bíblia Plenitude (SBB) diz que “No Antigo Testamento, o sacrifício era um ato de culto, tão importante, que era considerado indispensável”. Os sacrifícios tinham um propósito de adorar a Deus (ao serem apresentados) e, representavam a natureza absoluta da dedicação total e espiritual que Deus requer de Seus filhos (Rm 12: 1). Já no sacrifício cristão, o ofertante entrega-se voluntariamente e totalmente a Deus. Da mesma forma, um líder verdadeiro se entrega voluntaria e totalmente aos seus liderados.

Por que a lei do sacrifício é essencial à liderança?
A resposta é bem simples: Liderados querem como líderes pessoas cujo exemplo seja digno e que tenham autocontrole, como demonstração de sua força interior. Qualquer que seja a área, o líder será observado e exigido em tudo pelos seus liderados. Podem ficar certos que quanto mais longe e mais alto chegar um líder, maiores foram os sacrifícios feitos por ele.

2. Como Moisés aplicou a lei do sacrifício em sua vida (Êx 3: 1 – 4: 13).
Ele abriu mão dos projetos pessoais para viver no centro do projeto de Deus para sua própria vida e para a vida do povo de Israel (Hb 11: 24 – 29). A trajetória da liderança de Moisés nos apresenta algumas atitudes que comprovam os sacrifícios por ele realizados. Primeiro, ele passou 40 anos no deserto de Midiã, tempo esse que lhe serviu para reflexão e amadurecimento para ouvir a voz de Deus (todo líder precisa reservar um tempo para ficar a sós com o Senhor, alimentar a sua alma e receber orientações de como guiar o povo de Deus). Segundo, ele foi honesto e integro com Deus ao admitir suas fraquezas (Êx 3: 11; 4: 10, 13). E terceiro, Deus esperou que Moisés fosse voluntariamente a Ele (Êx 3: 3 – 4) e, quando isso aconteceu, todo orgulho e autoconfiança foram removidos de sua vida (o verdadeiro líder cristão compreende e leva as pessoas a entenderem que Jesus é o único que deve ser engrandecido (Jo 3: 30)).

3. Uma Qualidade Indispensável na Lei do Sacrifício (1Co 9: 5 – 15).
É a Autodisciplina, que nada mais é do que a correlação entre as palavras disciplina (“instrução”, “treinamento”) e discípulo (“aprendiz”, “seguidor”), uma vez que são palavras oriundas da mesma raiz no grego. Isso quer dizer que verdadeiro discípulo precisa ter a disciplina como uma qualidade indispensável em sua vida. O apóstolo Paulo foi um discípulo que abriu “mão de direitos que lhe cabiam legalmente, e isso erro que o tornava eficiente”.

Vejamos algumas coisas das quais Paulo abriu mão:

    1. “Ele foi um homem que abriu mão do direito de ter uma esposa (v. 5)” (BLC, p. 1001) – O Sinédrio judaico só admitia homens casados. Se Paulo era membro (At 26: 10, 12), é possível que fosse viúvo. E qual era o seu objetivo em continuar viúvo? A resposta: Ficar livre para melhor servir a Deus;
    2. “Ele foi um soldado que abriu mão do direito de ter um salário (v.7)” (BLC, p.1001) (Cf. Mt 10: 9 – 10; 1Tm 5: 18). É lamentável como vemos vários líderes eclesiásticos mais interessados no salário que irão receber para assumir determinada obra, do que propriamente pela obra que irá realizar;
    3. “Ele foi um vinhateiro que abriu mão do direito de comer suas uvas (v.7)” (BLC, p.1001) – Mesmo sabendo que o “lavrador que trabalha deve ser o primeiro a participar dos frutos” (2Tm 2: 6);
    4. “Ele foi um pastor de rebanho que abriu mão do direito de beber dele o leite (v.7)” (BLC, p.1001) – Paulo tinha consciência de que era legítimo receber algo daqueles de quem ele cuidava e alimentava (Rm 15: 27; 1Co 9: 11 – 12); se não exigia, era por sua livre vontade (v.12);
    5. “Ele foi um boi que abriu mão do direito de comer o grão (v. 9 – 10)” (BLC, p.1001);
    6. “Ele foi um agricultor que abriu mão do direito de sua colheita (v.10)” (BLC, p.1001) – Vale salientar que o salário não é um favor recebido, mas um direito do trabalhador. Direito esse que Paulo preferiu abrir mão (At 18: 3; 1Ts 2: 9; 2Ts 3: 8);
    7. “Ele foi um servidor do templo que abriu mão do direito ao prato de comida (v.13-14)” (BLC, p.1001) (Cf. 1Co 9: 18);
    8. “Ele foi um pregador que abriu mão do direito a uma oferta (v. 14 – 15)” (BLC, p.1001).

É bom deixar claro que Paulo não fez desse “abrir mão dos seus direitos” uma regra a ser seguida. Muito pelo contrário, foi algo que ele escolheu para si e, provavelmente, porque tinha condições de fazê-lo, como diz em 1Co 9: 14.

Para concluir, fato é que todos os cristãos precisam cultivar e desenvolver as disciplinas da vida espiritual: a meditação e o estudo da Palavra de Deus; a oração e a confissão; o ficar à sós com Deus e o cultuar a Ele; a comunhão e o serviço cristão. Não há maneira melhor para um líder cristão exercitar a autodisciplina do que por meio do cultivo dessas disciplinas.

#QueDeusContinueNosAbençoando!

Por Linaldo Lima
Blog Oficial: http://www.linaldolima.com
Facebook: http://www.facebook.com/BlogDeLinaldo
E-mails:
contato@linaldolima.com / linaldolima@gmail.com
Skype: linaldolima
Twitter: @linaldolima

BIBLIOGRAFIAS:

  1. BANDEIRA, Pr. Eldir Ribeiro P. Princípios Bíblicos de Liderança (Série Serviço Cristão) – ‘A Lei do Sacrifício – AUTODISCIPLINA’. 1ª Ed. São Paulo, Cristã Evangélica, 2011.
  2. BÍBLIA da Liderança Cristã. Versão Almeida, Revista e Atualizada, 2012.
  3. BÍBLIA Devocional de Estudo. Versão Almeida, Revista e Corrigida com referências, 1997.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *